Notícias

Cerveja nos estádios

Matéria que vem gerando discussões e tomando muito tempo no Congresso Nacional é a liberação do consumo de cerveja nos estádios durante a copa do mundo. Em primeiro lugar não acho que o Congresso Nacional tivesse que se ocupar tanto tempo com este assunto, existem matérias muito mais importantes e de relevância nacional que precisam ser tratadas.

É publicamente conhecido que existe legislação nacional que proíbe o consumo de álcool nos estádios de futebol em todo brasil. Quando o Brasil candidatou-se a sediar a copa do mundo sabia que um dos principais (se não o principal) patrocinador do evento é a Budweiser, marca de cerveja. Logo era óbvio que seria necessária a liberação do consumo de pelo menos cerveja nos estádios da copa.

A FIFA apenas exige que cumpra-se o que foi acordado e aceito previamente.

No entanto, não acho que uma lei de um país deva ser alterada temporariamente apenas para um evento específico.

Acho que a discussão que é válida neste caso seria se o consumo de álcool realmente deve ser proibido nos estádios de futebol, não importa se copa do mundo, campeonato estadual ou brasileiro.

Minha posição pessoal é que o consumo de álcool nos estádios deveria ser liberado assim como é liberado o consumo na rua, nos parques, eventos públicos, shows e espetáculos.

Porque somente nos estádios é proibido? Quando é sabido que torcedores consomem álcool nos arredores do estádio e isto não impede que entrem bêbados ou alcoolizados nos estádios.

A violência nos estádios, e fora deles não é gerada unicamente pelo consumo de álcool. É sim gerada pela impunidade. Brigas de torcidas, agressões na rua e dentro de casa, acidentes no trânsito, depredações e outras formas de violência tem sua maior causa não no consumo de bebidas alcóolicas e sim na falta de identificação e punição dos agressores e culpados.

Se os recursos tecnológicos disponíveis (e baratos), aparatos policiais, aparatos de fiscalização e justiça fossem corretamente utilizados e efetivamente punissem tenho certeza que nossos índices de violência cairiam absurdamente.